Início | Vendas | As lições da greve para a liderança

Vendas

As lições da greve para a liderança

Luiz Marins

Publicado em 12/07/2018 às 15:37

Não quero aqui emitir nenhum juízo de valor sobre a greve dos caminhoneiros. Quero apenas refletir sobre as lições que essa greve pode trazer para a liderança das empresas.

Segundo a imprensa e as redes sociais, os líderes do governo tinham informações e foram até mesmo avisados da crescente insatisfação dos caminhoneiros. Sem levar a sério essas informações e avisos, não tomaram as providências que poderiam ter evitado a greve com suas graves consequências para a economia e a população.

Mesmo quando a greve começou, os líderes do governo acreditaram que poderiam “negociar” e paralisar a greve com medidas paliativas que não atendiam as demandas reais dos caminhoneiros. A greve continuou e o governo, totalmente acuado, teve que atender a quase todas as demandas, pois a situação chegou a tal ponto crítico que o custo de atender as reivindicações seria menor do que o custo da paralização total do país.

O risco que o Brasil corre agora é que outras categorias insatisfeitas e “ensinadas” pelas conquistas dos caminhoneiros adotem a mesma postura para serem ouvidas e atendidas.

Que lições podemos tirar dessa greve para a empresa? E para os líderes empresariais?

Será que nas empresas esses fatores que levaram à ruptura, a ações extremadas, à greve, também não estão presentes?

Será que o distanciamento dos líderes, da realidade concreta dos liderados não acontece também nas empresas?

Será que muitos comportamentos dos líderes não acabam “educando” os liderados a tomar atitudes extremadas para que consigam ser ouvidos e levados a sério?

 Como antropólogo e consultor, fico impressionado ao observar que as lideranças esperam a situação chegar ao limite da ruptura para daí ouvir, respeitar, levar a sério e iniciar um diálogo com seus liderados, muitas vezes tarde demais.

 Assim, vejo muitos varejistas e prestadores de serviço que só mudam quando uma ruptura grave os ameaça - uma reclamação no PROCON, uma divulgação negativa nas redes sociais, uma perda sensível de clientes.

Vejo muitos empresários e dirigentes que só mudam sua postura, muitas vezes, arrogante e distante, quando são ameaçados com um movimento paredista ou quando suas empresas começam a sofrer boicotes internos com consequências econômicas graves.

Vejo muitos dirigentes insensíveis, com privilégios e mordomias em descompasso com a realidade da empresa e dos liderados, causando uma revolta surda entre todos.

Deixando chegar ao limite da ruptura, a disposição para o diálogo fica comprometida e o custo de não ter se antecipado aos problemas e enfrentado a realidade com seriedade é dezenas de vezes maior.

Para a liderança, mais importante que a boa intenção é a sensibilidade à realidade concreta de seus liderados.

 

Pense nisso. Sucesso!

Luiz Marins feed/rss ver artigos deste(a) colunista

Luiz Marins

Vendas

Luiz Marins é antropólogo, professor e consultor de empresas no Brasil e no exterior, com 24 livros publicados (também disponíveis em vários países da América Latina e Europa) e mais de 300 vídeos e DVDs publicados; empresário de sucesso dos ramos de agronegócio, educação, comunicação e marketing. É um dos mais requisitados palestrantes do país. (secretaria@anthropos.com.br). Dê sua opinião sobre este artigo ou faça sugestões para nossos colunistas, envie seu e-mail.
 

Artigos Relacionados

voltar

Titulo: As lições da greve para a liderança

Destinatário(s)
Seus dados
Código de Validação:*
(*) Preencha o código de validação corretamente.

Titulo: As lições da greve para a liderança

Mensagem de Erro

Esta é a área central para comunicação entre revendas, distribuidores e fabricantes com a equipe da PartnerSales.
Incentivamos as mensagens de nossos leitores com sugestões de pautas, críticas, elogios ou reclamações.

Seus dados
Código de Validação:*
(*) Preencha o código de validação corretamente.

© Copyright PartnerSales - O site focado em parcerias de negócios e estratégias de vendas. Todos os direitos reservados. Outros nomes de companhias, produtos e serviços podem ser marcas registradas ou marcas de serviços de outros.

Sydow Marketing