Início | Estratégias Digitais | Os exterminadores do futuro

Estratégias Digitais

Os exterminadores do futuro

Marcelo Martinez

Publicado em 02/08/2018 às 16:24

Eu, Robô, clássico de Isaac Asimov publicado em 1950 enumera as Três Leis da Robótica que visam manter à paz entre autômatos e seres biológicos: 1) um robô não pode ferir um humano ou permitir que um humano sofra algum mal; 2) os robôs devem obedecer às ordens dos humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a primeira lei; e 3) um robô deve proteger sua própria existência, desde que não entre em conflito com as leis anteriores.

 

Embora o cinema e a literatura gostem de proliferar histórias sobre máquinas se rebelando e dominando os seres humanos, a discussão sobre a aplicabilidade dessas antigas “leis” em tempos atuais tem ganhado espaço com os grandes avanços de Inteligência Artificial (IA), em especial, o desenvolvimento das chamadas Armas Autônomas Letais (do inglês Lethal Autonomous Weapons, ou simplesmente LAWs), dispositivos inteligentes que podem selecionar e atacar alvos humanos por decisão própria.

O fato é que das LAWs derivam várias ameaças. Primeiro, se construídas, elas serão prontamente difundidas, desencadeando uma corrida armamentista. Segundo, sua possibilidade de realizar, em anonimato, fins à distância gera não apenas problemas de imputabilidade, mas também tira freios humanos ético-existenciais. Por fim, a sua eficácia sobre-humana aumenta o potencial destrutivo, mesmo nas mãos de pequenos Estados ou grupos, sendo um instrumento potente para governos autoritários e grupos terroristas ou paramilitares com vontade de levar a cabo uma limpeza étnica ou desestabilizar a ordem mundial.

Em reação às crescentes preocupações com o uso das LAWs, o The Future of Life Institute (FLI), organização não-governamental para apoio de pesquisas e iniciativas sobre o uso e impacto de novas tecnologias em nossas vidas, apresentou em novembro de 2017 na Convenção das Nações Unidas sobre Armas Convencionais, em Genebra, o vídeo Slaughterbots retratando um futuro dominado por LAWs. Para completar o clímax, bem ao estilo Black Mirror, no final do vídeo aparece Stuart Russell, pesquisador de Berkeley, advertindo que a tecnologia perturbadora apresentada já existe e que o prazo para agirmos acabará rapidamente.

Conscientes do risco, líderes e cientistas de todo o mundo se reuniram em julho na cidade de Estocolmo para discutirem as LAWs. Ao final do encontro, mais de 160 empresas e 2.400 pessoas de 90 países assinaram um documento se comprometendo a não participar no desenvolvimento, fabricação, comércio, ou uso de robôs com capacidade de atacar pessoas sem a supervisão humana. Como concluíram os próprios signatários, não se pode delegar a uma máquina a decisão de subtrair uma vida humana, impossibilitando a imputação de culpa e responsabilidade.

No campo corporativo, várias empresas e executivos também estão tomando posições a respeito da proliferação das armas autônomas. A Google, por exemplo, signatária do acordo de Estocolmo, já havia decidido recentemente abandonar por pressão dos próprios funcionários o projeto Maven, uma parceria com o departamento de defesa dos Estados Unidos para desenvolver drones militares com IA. Outro famoso ativista da causa, Elon Musk, fundador da Tesla e da Space X, além de conhecido por diversas doações do próprio bolso para iniciativas sobre o tema, recentemente fundou a OpenAI para a promoção de IA de forma segura para a humanidade. Para ele as LAWs são mais perigosas que as armas nucleares e precisam ser discutidas.

A ideia de criar formas de vida à nossa semelhança sempre nos fascinou. É o estágio máximo da inventividade humana: desenvolver uma habilidade que até então seria exclusiva dos deuses. A pergunta chave para a humanidade hoje é se devemos controlar armas feitas com IA ou se devemos simplesmente bani-las antes que surjam. Talvez dessa decisão dependa o nosso futuro. Stephen Hawking, famoso físico teórico inglês, declarou um pouco antes de sua morte que “o sucesso em criar uma IA seria a maior realização da raça humana, mas infelizmente também poderia ser a última”. Resta-nos trabalhar para que pelo menos essa sua teoria nunca seja comprovada.

Marcelo Martinez feed/rss ver artigos deste(a) colunista

Marcelo Martinez

Automação

Marcelo Martinez é engenheiro químico pela Poli-USP, pós-graduado em Marketing pela ESPM, com Mestrado em Administração pela FEA-USP e Doutorado em Administração pela FGV. Executivo com mais de 20 anos de atuação em empresas multinacionais, possui sólida vivência nas áreas de vendas, produtos e marketing, e experiência na elaboração e implementação de estratégias de negócios orientadas a resultados em diversos canais. Já foi membro efetivo de conselho consultivo de empresa de tecnologia, atuou como representante da indústria em entidades setoriais e participou de vários projetos de grande relevância, entre eles aquisições de empresas e implementação de Políticas Comerciais e Programa de Relacionamento. É palestrante em Congressos nacionais e internacionais e tem artigos publicados em revistas. Dê sua opinião sobre o artigo ou faça sugestões para nossos colunistas, envie seu e-mail.
 

Artigos Relacionados

voltar

Titulo: Os exterminadores do futuro

Destinatário(s)
Seus dados
Código de Validação:*
(*) Preencha o código de validação corretamente.

Titulo: Os exterminadores do futuro

Mensagem de Erro

Esta é a área central para comunicação entre revendas, distribuidores e fabricantes com a equipe da PartnerSales.
Incentivamos as mensagens de nossos leitores com sugestões de pautas, críticas, elogios ou reclamações.

Seus dados
Código de Validação:*
(*) Preencha o código de validação corretamente.

© Copyright PartnerSales - O site focado em parcerias de negócios e estratégias de vendas. Todos os direitos reservados. Outros nomes de companhias, produtos e serviços podem ser marcas registradas ou marcas de serviços de outros.

Sydow Marketing