A carta da vez
 
As perspectivas de crescimento nas vendas de multifuncionais este ano colocam o produto na linha de frente das oportunidades para as revendas
 
Os equipamentos multifuncionais estão na linha de frente dos negócios este ano. Dentro do mercado de impressão, que no ano passado recebeu um belo impulso por conta da venda de mais de 10 milhões de microcomputadores no país, é disparado o setor que apresenta melhor crescimento. Motivos não faltam e incluem desde praticidade e produtividade até economia e organização do espaço físico das estações de trabalho. Além disso, pesaram ainda fatores como a queda de preços decorrente da variação cambial. “O dólar baixo vai manter o mercado em alta este ano”, lembra Ivan Kotchetkoff, supervisor de marketing e produto da Canon.
De acordo com dados da IDC, dos 4 milhões de equipamentos de impressão vendidos no país, mais da metade já são multifuncionais. “O ritmo de crescimento na venda de produtos de função única está se desacelerando”, observa Reynaldo Smith, diretor da divisão de impressoras e multifuncionais da Samsung. As multifuncionais seguem sentido inverso e a previsão é de que sejam vendidas cerca de 2,7 milhões de unidades em 2008. Outra tendência é o crescimento da tecnologia a laser. Embora deva responder por menos de 10% do mercado, com cerca de 250 mil unidades, é o segmento que apresenta expansão mais acelerada: no ano passado, suas vendas foram 37% superiores às de 2006 – e a perspectiva, este ano, é que subam 41%. “A tecnologia laser já está chegando até o usuário doméstico”, aponta Tatiana Sondahl, gerente de marketing da Xerox.
 
Avanços tecnológicos
 
O desenvolvimento da tecnologia, ao par do crescimento da demanda e da conscientização sobre custos de impressão, são alguns dos vetores deste movimento. Carlos Bretos, presidente da Lexmark do Brasil, primeira a trazer para o mercado equipamentos com tecnologia wireless embarcada, alinha alguns direcionadores da demanda além da convergência tecnológica – como a conectividade sem fio, que atrai o consumidor doméstico, e o próprio crescimento explosivo das pequenas e médias empresas (SMB), que com a queda de custos dos equipamentos passam a poder contar com benefícios como produtividade e economia antes dedicados unicamente às grandes empresas. “A multifuncional, com fax ou não, é a grande opção do consumidor, desde o doméstico até a grande empresa”, diz Smith, da Samsung, que optou por concentrar sua produção em equipamentos a laser a partir da avaliação de que a tecnologia jato de tinta tem seus dias contados.
Entretanto, apesar da tendência de queda na diferença de custos entre equipamentos inkjet e laser, a primeira ainda é a opção de muitos compradores de entrada. A HP, por exemplo, considera que o custo de propriedade dos equipamentos a laser passa a ser mais vantajoso para volumes superiores a 10 mil cópias mensais. “Hoje temos tecnologia jato de tinta na linha Office Jet que atende o mercado de 7 mil a 10 mil cópias por mês com custo bastante competitivo por impressão”, alega Carlos Rabello, gerente de produto multifuncionais da HP. A Ricoh também aposta em inkjet. Depois de lançar no ano passado equipamentos com tecnologia de gel, que proporciona maior velocidade de impressão, agora vai oferecer multifuncional de pequeno porte com a mesma base tecnológica. “É uma forma de apresentar um produto diferenciado com custo de impressão baixa para o segmento de entrada”, diz Andréa Klavenhusen gerente de marketing de produto da Gestetner, subsidiária da marca no Brasil.
Um dos exemplos de emprego de recursos premium para o usuário que busca adquirir sua primeira máquina é o da multifuncional CX5600, da Epson, empresa que segundo seu presidente Odivaldo Moreno cresceu 10% no ano passado e deve se expandir 25% este ano no Brasil. O equipamento apresenta resolução de impressão de 5760 x 1440 dpi, quatro cartuchos de impressão (preto, amarelo, magenta e ciano) e capacidade de impressão de até 25 ppm – por cerca de 350 reais. Outro atrativo da marca é o custo de propriedade de operação barata. “O preço do cartucho de tinta de cores separadas baixou para menos de 20 reais”, aponta Moreno.
Andréa destaca também o desempenho dos equipamentos a cores, devido à queda da diferença de preço entre os equipamentos cor e monocromáticos, que hoje chega até a 10%. Além da queda de preços, a evolução tecnológica, que ampliou a velocidade das impressões coloridas, somada à sofisticação dos sistemas de gerenciamento, segundo ela, colaboram para a adoção das multifuncionais a cores também no segmento corporativo graças à capacidade de definição de usuários com diferentes perfis de impressão. “Em 2010, teremos mais lançamentos coloridos que monocromáticos”, prevê.
Produtividade e economia
 
As soluções de gerenciamento são responsáveis pelos ganhos de economia e produtividade que também colaboram para a aceleração nas vendas dos equipamentos. Os custos de manutenção são otimizados com a redução de equipamentos e peças e os gastos com telefonia para o envio de fax podem ser substituídos pelo uso de conexões internet utilizadas pelos aparelhos. A produtividade é outro destaque. Embora tenham capacidade multitarefa, cada função opera de maneira independente – a falha em um dos componentes pode não inibir o funcionamento de outro. Além disso, os usuários podem se beneficiar de funcionalidades como fila de impressão, impressões programadas para horários mais adequados, digitalização direta para endereços de e-mails e pastas na rede, capacidade de armazenamento de documentos de uso freqüente e outras que agilizam e facilitam as tarefas do dia-a-dia.
O desenvolvimento da capacidade das multifuncionais as tornou dispositivos de entrada com papel destacado nos processos de GED (gerenciamento eletrônico de documentos). “O multifuncional hoje é um periférico que é um sistema de informação e permite dar um pontapé inicial em processos de GED por sua capacidade de armazenamento e gerenciamento”, diz Fuzio Ymayo Filho, gerente nacional de marketing e novos projetos da Konica Minolta, voltada ao mercado corporativo e que agora começa a atender também o segmento de artes gráficas no Brasil. “Um pedido pode ser escaneado, entrar em repositório e a partir daí seguir um fluxo inteiro, seja com o uso do software do equipamento ou de terceiros”, exemplifica Ivan, da Canon, que também tem foco no mercado corporativo e oferece exclusivamente equipamentos de grande porte com formato A3.
O desenvolvimento da tecnologia permite que o equipamento passe a ter um novo papel nos processos de negócios dos compradores. Carlos Bretos, presidente da Lexmark do Brasil, lembra a característica de totem que começa a surgir em agências bancárias para facilitar a abertura de contas com operacionalização pelo próprio proponente – equipamentos com tela touch screen respondem pela digitalização e checagem de documentos em fontes internas e externas e pelo seu fluxo até a aprovação. “Isto exige das revendas maior domínio e conhecimento da tecnologia embarcada para geração de mais oportunidades de negócios”, observa o executivo.
Outros pontos que avançaram bastante foram a segurança e a conectividade sem fio. A segurança é garantida por recursos como a autenticação por biometria, oferecida pela Konica Minolta, ou a capacidade de apagar o disco rígido depois do uso, da Canon. O wireless também está em pauta. A Canon aguarda a homologação da Anatel para oferecer no Brasil, ainda este ano, equipamentos de maior porte com capacidade de integração a redes wi-fi. A Xerox lançou um acessório que conecta à máquina para uso sem fio. A avaliação da HP, que este ano lançou modelos wireless, é que a característica atrai não apenas consumidores domésticos, mas empresas em que o custo do cabeamento para colocação de novos equipamentos ou mudanças de layout seja uma barreira.
 
Perspectivas 2008
Crescimento na vendas de equipamentos de impressão (em %)
 
Tipo
Jato de tinta
Laser
Impressoras
10
22
Multifuncionais
14
41
 
 
Fique atento
Um exemplo de equipamentos multifuncionais que vão lhe ajudar a fazer bons negócios
 
Canon iR3045
Volume de até 170 mil impressões mensais. A3 com capacidade de impressão de até 45 ppm. Sistema opcional de envio universal (i-fax, e-mail e pasta na rede) e sistema de fusão rápida, que ajuda a diminuir o consumo de energia. Painel LCD colorido, caneta interativa facilitam e tecnologia opcional Universal Send opcional, que converte documentos em papel para formatos eletrônicos.
 
Samsung SCX-6345N
Laser monocromática com tela touch screen e capacidade de impressão de até 45 ppm. Ideal para volumes médios de 10 mil impressões mensais. Kit de fax opcional com funções como discagem rápida de até 200 números, envio e recebimento duplex e fax-email. Impressões agrupadas, programadas e confidenciais, envio de documentos digitalizados, gerenciamento remoto e sistema opcional SmarThru Workflow.
 
Konica Minolta C451
Capacidade de impressão de 45 ppm e de banners com até 1,2 m de comprimento. A mais compacta da classe, com painel colorido touch screen móvel, controlador de impressão Emperon, autenticador biométrico opcional e tecnologia laser com feixe duplo. Opera com o toner polimerizado Simitri HD.
 
Lexmark X4550
Jato de tinta com capacidade de impressão de até 26 ppm e conectividade wireless. Imprime fotos sem borda a partir de slots de cartão de memória digital, drives flash USB ou câmeras digitais compatíveis com o sistema PictBridge.
 
Ricoh GX3000SF
Jato de tinta com capacidade de impressão de até 29 ppm com fax e conectividade em rede. Envio eletrônico de documentos via Scan-to-Email ou Scan-to-FTP (por Ethernet). Solução proativas de falhas por monitoramento remoto e envio de alertas por e-mail para reposição de suprimentos.