Bola na tela
Com 200 milhões de torcedores, o Brasil vai repetir um comportamento tradicional em anos de Copa do Mundo de futebol: a explosão nas vendas de equipamentos para acompanhar a seleção brasileira de longe. Só em relação a aparelhos de TV, a expectativa é de crescimento de 40% em 2010. Mas o campeonato ainda vai dar um empurrãozinho em outros dispositivos, como projetores. Como os jogos ocorrem em boa parte em horário comercial, também movimentam aqueles voltados a transformar o PC em televisor, como os monitores multifunção e os sintonizadores (TV tuners), ou para assistir aos jogos de qualquer lugar, mesmo que isso implique visualizar os jogadores em tamanho pouco maior que moscas, em miniequipamentos com telas em torno de 3”.

O movimento será reforçado com novas tecnologias. Como a de LED, com taxa de contraste superior, baixo consumo de energia e espessura de 3 a 5 cm. Mas embora renda boa margem para os fabricantes em TVs de grande formato, ainda não teve seu custo de desenvolvimento absorvido para telas menores, então começa a chegar só mais timidamente aos monitores. Outra é a interatividade da TV digital. Até agora inexplorada, deve ser oferecida para a Copa do Mundo pelo menos pela Rede Globo e vai dar um gás no segmento de set top box. Veja algumas das ofertas que vão apoiar o agito do mercado este ano.
 
AOC
Segundo o diretor comercial de Consumer Electronic, Alberto Nairo, as vendas de TVs este ano vão ser estimuladas pela troca de tecnologia, pela Copa do Mundo e pela antecipação de compras para o primeiro semestre do ano. “O Brasil já vende 6,5 milhões de telas finas, de plasma, LCD e LED, contra 3 milhões das não-finas. Os tamanhos também serão maiores, mesmo que sejam mantidas as vendas de formatos como 14” e 21” por preço”, diz.
A marca começa a fabricar no Brasil este ano sua miniTV portátil de 3,5” com tecnologia 1seg (1 segundo de delay) e aposta forte no LED. A tecnologia chega em monitores ainda no segundo trimestre. “Ao longo do ano, quase toda a linha migra de painel para LED”, antecipa Hércules Ribeiro, diretor comercial de TI. Também investe no monitor TV e no segmento de processamento de dados, com o all-in-one. No primeiro caso, são três equipamentos ao longo do ano, começando com a linha de 21,5” no primeiro semestre e, no segundo, com os de 20” e 23,5”. O tudo em um chega em abril. “Devemos vender 100 mil monitores TV este ano”, diz o executivo.
 
Coletek
A fabricante oferece uma linha de receptores de TV digital compatíveis com Windows e uma linha analógica compatível com Windows e Linux. O produto digital oferece resolução de até 1920 X 1080, agendamento de gravações e recursos como time-shifting para “pausar” a gravação e edição e gravação de DVDs. “Os canais devem focar na aplicação do produto e citar seus recursos. A C3 Tech oferece treinamentos específicos, material de PDV e displays de chão”, detalha Charles Blagitz, gerente geral da Coletek. Ainda no primeiro trimestre, a empresa lança a segunda geração de seu sintonizador USB. “ Com software mais amigável”, diz Blagitz.
 
Elgin
A divisão Info Products incluiu dois novos modelos de receptores de TV digital para PCs em seu portfólio de marca própria: os dispositivos USB TV FS-01 e HF-01, que permitem ao usuário assistir a programação da TV aberta em alta definição (HDTV) e em full seg (tela cheia). Além da sintonização automática de canais, os equipamentos permitem gravação (inclusive agendada), retorno e avanço de programas, uso de controle remoto e guia de programação eletrônico. O modelo HF-01 oferece ainda rádio FM e som estéreo. “Em março lançaremos um modelo de USB TV somente analógico com rádio FM para atender regiões que ainda não possuem TV digital. A produção local está em estudo”, adianta o gerente de produtos Frederico Safranek.

Encore
A marca oferece a placa de TV ENLTV-FM. O produto oferece visualização direta na tela do monitor do PC, captura e grava programas de TV e cria filmes com qualidade de DVD em MPEG. Segundo Antonio Póvoa, gerente comercial da Winplus, representante oficial da fabricante no país, a placa possui recursos para TV a cabo e antena externa, rádio FM, suporta diferentes formatos de TV e possibilita gravação diretamente da câmera filmadora, DVD player e outros dispositivos de entrada de vídeo, com uso de S-Video. “Estamos fazendo ações específicas de venda junto ao canal e pretendemos comercializar acima de 40% em relação ao mesmo semestre do ano passado”, explica Póvoa.

JV Logic
O gerente de Produtos Ron Ngan prevê que a demanda por sintonizadores de TV aumentará dramaticamente, sendo a forma melhor e mais barata de transformar um PC em uma TV. A expectativa é que as vendas dos dispositivos da linha Real Angel da fabricante alcancem até 5 mil unidades por mês. “Estamos planejando o lançamento de modelos sintonizadores de TV digital e TV PCI-Express”, diz Ngan.
A linha Real Angel é composta pelas placas sintonizadoras de TV 220, 220 FM e 330 Pro, com capacidade de gravação, pausa e transformação de fitas VHS em formato digital, graças à entrada AV; as duas últimas oferecem função FM e a 330 Pro, softwares para edição de vídeo. Já o 400 Pro é um sintonizador analógico USB 2.0 com função FM, também turbinado para edição, e o HD 1920 é um TV Box analógico, que não exige PC ou instalação de aplicativos e drivers para funcionar: ligado diretamente no monitor LCD, suporta até full HD e interliga o computador a consoles como PS3 e Xbox. “Vamos promover a linha para incentivar o usuário final e capacitar os canais para ajudá-los a vender”, explica o gerente.
 
KWorld
A marca oferece sintonizadores analógicos PCI e USB, sintonizadores digitais 1seg e full seg e sintonizadores híbridos (digital e analógico), os dois últimos com antena embutida. “Pretendemos apoiar as revendas para potencializar os resultados de vendas. Ao contrário de muitas empresas, até a Copa do Mundo, contaremos com estrutura para atender consumidores que precisarem de reparos técnicos, aumentando a confiança na nossa marca”, diz Robert Chen, vice-presidente da subsidiária americana da KWorld, que projeta crescimento entre 30% e 50% com a venda de cerca de 30 mil unidades por conta do evento.
 
LG
Segundo dados da empresa, a produção de TVs LCd crescerá até 70% este ano. A projeção de vendas dos aparelhos chega a 5,5 milhões de unidades. Com atenção voltada a alta qualidade de imagem e conectividade, a perspectiva de aumento no consumo de energia também é significativa. A marca espera atrair a atenção dos consumidores com um dos diferenciais dos painéis LCD, a tecnologia IPS (In-Plane Switching), que permite ângulo de visão de 178 graus e redução no consumo de energia elétrica. E foi a primeira a demonstrar no país um aparelho LCD com possibilidade de visualização de conteúdo em terceira dimensão (3D), que está no Brasil a partir deste ano. O produto foi apresentado na Feira Internacional da Amazônia, no ano passado, onde a fabricante expôs também lançamentos como a linha Live Borderless TM, de modelos com design ultrafino e sem molduras externas em LED LCD e LCD Slim.
 
Prolink / PixelView
Depois de lançar um dispositivo USB para sintonia de TV digital one e full seg, lançou o PlayTV USB Hybrid, que permite assistir e gravar programas de TV aberta digital e analógica, rádio FM e captura de vídeo. O novo modelo foi desenvolvido em Taiwan exclusivamente para o Brasil com características como agendamento de gravações diretamente da antena ou da entrada de vídeo e a configuração individual do padrão de cor para cada uma das entradas de vídeo e TV, para atender o mercado que convive com diferentes padrões de cor ao mesmo tempo, como Pal-M e NTSC.
Além de sintonizadores de TV analógica e digital e dispositivos de captura de vídeo para diversos barramentos, a marca oferece produtos que funcionam de modo independente, sem uso da CPU, e produtos para TV via IP, com embalagem, manual e interface do usuário em português, suporte técnico disponível no Brasil e RMA local. “A época é propícia para introduzir novos produtos. A expectativa é que o volume de vendas dobre este ano”, diz Alex Luiz Pereira, diretor da empresa para o Brasil.

Samsung
Desde o ano passado aposta no casamento entre TV e internet com os aparelhos de TV com o recurso Internet@TV, oferecendo informações atualizadas na tela com o toque de um botão graças à parceria com o Terra. “Esperamos aumentar as vendas de TV em até 40% no primeiro semestre do ano”, diz o gerente sênior na área de TVs, Rafael Cintra. “Os canais podem tirar proveito da integração aos ambientes e conectividade com internet e wi-fi dos produtos de ponta.”
A fabricante já conta com linha completa LED – inclusive modelos de 32” e 55” – com decodificador de sinal digital integrado (DTV) e conexão à internet via widgets. No segmento LCD, os destaques são as séries 530 e 550 (full HD, DTV e design Touch of Color), com telas de 32”, 37”, 40”, 46” e 55”, além da linha 650, que agrega ainda 120 Hz e features do pacote Mídia 2.0 como conexão à internet via widget – válidas também para a 58B850, aparelho de plasma de 58”.
 
Superkit
Distribuidora oficial dos sintonizadores para PCs PixelView e Visus TV, disponíveis nos barramentos PCI, PCI-Express, USB e Express Card nas versões analógica e digital full seg. Segundo o diretor Levi Salera, as vendas ocorrem com maior rapidez nos pontos de venda onde os TV tuners ficam instalados e em demonstração. A distribuidora viabiliza produtos para demos com ofertas e bundles especiais para canais que compram quantidades pré-definidas. “Com investimento de aproximadamente 1 milhão de reais, a primeira aposta da americana Visus TV é alcançar a meta de venda de 10 mil sintonizadores de TV digital por mês até a Copa”, diz Levi. O destaque da fabricante é o VisusTV Xtreme, dispositivo do tamanho de um pendrive que é acompanhado de antena retrátil e controle remoto.
 
A recuperação dos monitores
O mercado de monitores deve ver recuperação de pelo menos 7,5% este ano. A estimativa é da IDC. O segmento acompanhou o comportamento de desktops em 2009 e amargou queda de 3% nos negócios no ano passado, mas o consumidor voltou a comprar mais rápido do que era esperado e, com a erosão de preços, vai apostar na reposição de equipamentos antigos por outros mais modernos, com características como tamanhos maiores, tecnologias mais modernas – LCD, LED, 3D – e funções diferentes, como o monitor TV ou o tudo em um. 
Em 2009 a queda ficou mais concentrada em tamanhos menores. Dados da IDC mostram que os produtos de 15” começam a sumir, restritos a bundles de entrada – e mesmo neste caso começam a ser substituídos pelos de 17. A concentração em formatos de 17” a 22” widescreen chega a 40%. O LCD reina absoluto, enquanto o 3D aguarda seu momento de glória e o LED vai chegando devagarinho. “Até 2013 domina o mercado”, aposta Martins, analista de PCs e monitores da IDC. “O 3D é mais para longo prazo.”

“O monitor TV faz parte do PC para entretenimento”, diz o especialista da IDC, cujas pesquisas apontam a reduzidíssima participação do segmento nas vendas de monitores. Ele observa, porém, a existência de uma barreira ao uso pela falta de facilidade de alguns usuários no trato com a tecnologia. “Não é igual usar uma TV, que é só ligar e trocar de canal. Há esforço forte dos fabricantes para difundir equipamentos de nicho. Neste caso, o dispositivo é ideal para quartos, por exemplo. Mas ninguém quer ver jogos na TV sozinho no quarto. O desempenho pode ser melhor em 2011 ou 2012”, sugere o especialista. Outro nicho em torno do qual os fabricantes se posicionam é o all-in-one, monitor integrado à torre. “Também é para público com mais conhecimento de tecnologia. Deve suavizar a queda de desktops e pode inibir a venda de monitores”, avalia Martins.
 
Evento agita revendedores com promoções
Em 2010, o futebol vai invadir também as campanhas direcionadas aos canais. Ingram Micro, Samsung, AOC, Coletek e Tech Data são algumas das muitas empresas que apostam na Copa do Mundo para motivar seus parceiros. A Ingram Micro começou cedo e anunciou no PartnerIM, em outubro, o lançamento de uma ação para os canais este ano para estimular as vendas, enquanto a Samsung já avisou que vai levar parceiros do recém-lançado programa de canais direcionado a HDs à África do Sul. “Toda comunicação da AOC está em cima da Copa do Mundo, incluindo ações de venda via canais”, diz Hércules Ribeiro.
Em fevereiro, tem início a campanha A Copa do Mundo é Nossa, da Coletek, com incentivos em materiais de PDV, catálogos e premiações focadas na ação. “Esperamos triplicar as vendas com as ações”, diz o gerente geral Charles Blagitz. A Tech Data vai usar o tema em suas campanhas. “Vamos premiar um grande número de parceiros e teremos eventos temáticos no primeiro semestre. As ações duram até o final da Copa e atingem toda nossa base de revendas, com premiações por compra de produtos, games online, bolão com palpites e muitas outras”, diz o gerente de Marketing da distribuidora, Ricardo Palma.