Cisco apresenta dados de dois estudos sobre conexões e dados

A Cisco apresenta a nova edição do barômetro Banda Larga, que passa a incluir as conexões de 2 Mbps ou mais. Conduzido pelo IDC, o estudo aponta as conexões de banda larga (fixa e móvel) no Brasil atingiram 25,5 milhões em dezembro de 2012, sem icluir navegação por ceclular e smartphone.

De acordo com dados detalhados no período de janeiro a junho de 2012, no Brasil existiam 35 conexões móveis para cada 100 fixas. A penetração por cada grupo de 100 habitantes é de 3,1% móvel e 8,9% fixa (ou 31% dos lares). Os dados de conexões fixas do estudo incluem duas novas definições: Banda Larga 2.0, para velocidades de 2 Mbps ou mais; e Banda Larga 1.0, de 128 Kbps a 2 Mbps. As conexões fixas de Banda Larga 2.0 cresceram 11,5% de janeiro a junho de 2012, quase três vezes mais rápido que as de 1.0, atingindo 9,2 milhões de conexões. O que significa uma penetração de 4,7% por cada 100 habitantes. A Banda Larga 2.0 representa 52,7% das conexões de banda fixa no país, sendo 40% se encontram na faixa de 10 Mbps ou mais.

Outro estudo apresentado foi o Cisco Visual Networking Index (VNI) Global Mobile Data Traffic Forecast 2012-2017. De acordo com o estudo o tráfego global de dados móveis crescerá 13 vezes nos próximos cinco anos, chegado a 11,2 exabytes por mês. No Brasil é previsto aumento de 12 vezes no tráfego móvel no mesmo período.

O crescimento projetado representa uma taxa composta anual de crescimento de 66%. Apenas o tráfego acrescentado à internet móvel entre 2016 e 2017 é de 3,7 exabytes por mês, mais de quatro vezes o tamanho estimado de toda a Internet móvel em 2012 (884 petabytes por mês).

As principais tendências que estão impulsionando este crescimento são: Mais usuários móveis (de 4,3 bilhões para 5,2 bilhões); Mais conexões móveis, haverá mais de 10 bilhões de dispositivos/conexões com  a internet móvel; Velocidades móveis maiores (de 0,5 Mbps para 3,9 Mbps); e Mais vídeos móveis que vão representar 66% do tráfego global de dados móveis.