HP Inc. promove evento para apresentar sua primeira linha de impressoras 3D voltadas ao segmento industrial no mercado nacional
Fabricante se consolida na liderança do setor de impressão 3D com a entrega das primeiras impressoras 3D industriais do Brasil, apresentando a nova revenda SKA para a comercialização e parceria local com a empesa FLEX


Na semana passada, a HP Inc, companhia especializada no setor de impressão 3D, realizou um evento para apresentar sua primeira linha de impressoras 3D, no Brasil. 
Inicialmente, os modelos são voltados para produção industrial, pequenos produtores e uso em universidades. São duas linhas específicas da Jet Fusion 3D: a 300/500 e a série 4200 que já estão disponíveis no mercado, através da parceria com o canal SKA. Os dispositivos  já foram adquiridos pela fábrica da Flex, em Sorocaba, São Paulo, há mais de um mês. "Temos 80 anos de atuação no mercado, e posso ressaltar que a HP é uma empresa que se reinventa constantemente para trazer tecnologia de ponta desde a nossa fundação em 1939 em uma garagem no Vale do Silício com Bill Hewlett e Dave Packard. Estamos sempre atentos às novas tecnologias e felizes em trazer nosso conhecimento em impressão 3D e manufatura digital ao Brasil, um dos centros industriais mais robustos e de crescimento mais rápido na América Latina”, afirma Claudio Raupp, presidente da HP Inc, agregando que só em 2018 foram impressos mais de 10 milhões de componentes usando a tecnologia Multi Jet Fusion, patenteada pela HP. 

Segundo Raupp, a impressão 3D é uma forma de digitalizar a manufatura, transformando processos analógicos em digitais. “Estamos no processo de transformação digital onde tecnologias como Big Data, Inteligência Artificial, IoT, Robotics e  Impressão 3D ditam o mercado e a HP esta atenta à essa movimentação.  A inovadora tecnologia de impressão 3D da HP está mudando os fundamentos da cadeia de suprimentos para produtos finais e de alto valor, ao acelerar a manufatura digital para produzir componentes onde e quando forem necessários. Estamos orgulhosos de trabalhar juntamente com a SKA, e animados para ver a Flex impulsionar a inovação utilizando tecnologia HP Multi Jet Fusion. A impressão 3D cria inúmeras oportunidades de negócios a todo o ecossistema”, reforça o executivo.

Vale ressaltar que todas as impressoras da marca utilizam um software desenvolvido pela própria empresa. Em relação as Jet Fusion 340 e 540, são empregados quatro agentes químicos na produção das peças, enquanto que as versões 380 e 580 são mais avançadas, já que possuem oito agentes químicos para a fabricação dos objetos em 3D.  Já a Fusion 4210 cobre grandes fábricas que diariamente lidam com a produção de peças em larga escala. "As companhias que não se mexerem de forma  rápida e objetiva serão deixadas para trás, e é por isso que estamos empolgados de ampliar nossa atual parceria com a HP para trazer a próxima geração de tecnologias de impressão 3D para a América Latina. A solução corporativa de impressão 3D da HP é capaz de entregar peças físicas de qualidade superior com rapidez e eficiência de custo, o que dá a nossa companhia uma vantagem competitiva no futuro da manufatura digital, afinal conseguimos maior volume e escala",  pontua Leandro Santos, vice-presidente da Flex.

Na ocasião, alguns modelos impressos na Flex foram exibidos pela HP incluindo óculos,  porta cartões, crachás,  brinquedos, cases para celular, entre outros.
Em síntese,  os gastos mundiais com impressão 3D atingirão US$ 13,8 bilhões em 2019, de acordo com o Guia de Gastos divulgado recentemente pela IDC. A América Latina tem tido um importante papel no renascimento da manufatura, e a tecnologia de impressão 3D promove uma onda de inovação e pensamento empreendedor entre as fabricantes – grandes e pequenas – em toda a região. Espera-se que a América Latina tenha um dos crescimentos mais rápidos em impressão 3D, com taxa de crescimento anual composta por mais de 25%.

A HP Inc acredita que a Impressão 3D tem o potencial de revolucionar a produção em massa em todas as indústrias e atender à demanda do consumidor por produtos personalizados,  abrindo assim o  caminho da Quarta Revolução Industrial. Segundo o Fórum Econômico Mundial, o valor das transformações digitais  para esse momento é estimado em US$ 100 trilhões só nos próximos 10 anos, em todos os setores, indústrias e localidades. O setor manufatureiro, que há muito tempo impulsiona a prosperidade e o crescimento econômico globais, é essencial para essa transformação.